Perspectiva mais abrangente da segurança da informação no Brasil e na América Latina

Quando se trata da proliferação do mundo digital, o Brasil tem muitas vantagens que a tornará isto mais fácil: democracia, economia classificada em 8º lugar no ranking mundial em termos de PIB, uma classe média em crescimento, e, por último, mas não menos importante, a banda larga, que está cada vez mais disponível a todas as classes da sociedade. Além disso, o Brasil está bem adiantado no que diz respeito à disponibilidade e uso da certificação digital em nível nacional.

Em maio do ano passado, o governo brasileiro disse que iria direcionar cerca de R$ 6,1 bilhões para um plano para aumentar o acesso à banda larga entre as famílias de baixa renda, na maior nação da América Latina. O Brasil já faz parte do grupo dos 10 primeiros, quando se trata de penetração da banda larga.

Os números do Brasil geralmente assumem escala gigantesca, e isso não é diferente quando se trata de avaliar o estado da informação e a segurança da informação. O comércio eletrônico tem crescido como foi recentemente demonstrado pelo crescimento explosivo no número de sites de compras coletivas. Em 2009, o comércio eletrônico cresceu mais de 30% no Brasil, representando mais de R$ 6 bilhões em valor.

Hoje, estima-se que as transações on-line representam cerca de 10% do total das transações no país. Como o 3º maior mercado de PC do mundo, o Brasil também tem sua parcela de usuários de internet banking – mais de 25 milhões de usuários, de acordo com alguns estudos, representando mais de 60% de todos os usuários da Internet. Em outras palavras, seis em cada 10 usuários da internet no Brasil também realizam operações bancárias on-line.

No entanto, com o aumento dos acessos à Internet, surge o desafio da segurança e da proteção deste acesso. Em março de 2010, o Brasil abrigava mais de 4% de todos os sites que hospedavam códigos maliciosos, segundo dados fornecidos pela APWG, um grupo anti-phishing.O Brasil ocupe o segundo lugar, atrás dos Estados Unidos, quando o assunto é a quantidade total de PCs infectados por bots, de acordo com a Microsoft.

O setor privado está respondendo aos números. A Gemalto, por exemplo, lançou este ano o www.justaskgemalto.com.br, um site dedicado a responder as perguntas do dia-a-dia sobre segurança na era digital. A VISA lançou seu próprio site dedicado a práticas financeiras seguras, quer online, ou não –www.financaspraticas.com.br.

Os bancos brasileiros, que já implantaram medidas para combater as ameaças reais que enfrentam, devem considerar ampliar o uso das tecnologias existentes (tais como cartões bancários EMV) para melhorar a autenticação on-line. Os bancos brasileiros, já habituados a usar tecnologia de ponta, já começaram a fazer isso.